Mãe de menino executado na Maré desabafa: “Eles vieram para matar”

Vania Moraes da Silva com outros filhos e outros parentes: quase três anos depois, o assassinato de Jeremias ainda não virou processo na Justiça (Foto: Matheus Affonso/Maré de Notícias)

Quase três anos depois de Jeremias, de 13 anos, ser morto por PMs com quatro tiros de fuzil nas costas, Vânia ainda espera justiça e sofre com ameaças

Por Maré de Notícias | ODS 16 • Publicada em 11 de novembro de 2020 - 08:41 • Atualizada em 13 de novembro de 2020 - 11:13

Compartilhe

Vania Moraes da Silva com outros filhos e outros parentes: quase três anos depois, o assassinato de Jeremias ainda não virou processo na Justiça (Foto: Matheus Affonso/Maré de Notícias)

Daniele Moura*

Nascida e criada na Maré, Vânia Moraes da Silva teve cinco filhos, Jeoás, 23; Isaías, 21; Gabriel, 18; Jeremias, 13 e Samuel, 12. Evangélica da Assembleia de Deus, é conhecida por muitos na Nova Holanda, favela onde mora na Maré. No dia 6 de fevereiro de 2018, saiu cedo de casa para ir ao velório de um “irmão” da igreja. Não se despediu dos filhos para não acordá-los. Ao voltar para casa no fim da tarde, numa parada para um lanche perto do Hospital Geral de Bonsucesso, viu seu marido saindo da portaria da unidade de saúde. Logo olhou no grupo de Whatsapp da igreja para saber se algo havia acontecido. E aconteceu. Lá, soube que seu filho Jeremias havia sido baleado e estava no Hospital Municipal Souza Aguiar.

Jeremias Moraes da Silva era um menino peralta, louco por bola. Fazia aula de violão e cantava na igreja. Estudava na Escola Municipal Helio Smidt e, segundo o professor Eduardo Gomes Oliveira, era um aluno com notas medianas, mas com olhar curioso e muito perguntador. Era uma tarde de segunda-feira de verão na Maré, e Jeremias costumava participar do futebol na Praça da Nova Holanda e também das atividades da Biblioteca Lima Barreto. Nesse dia, ele iria treinar o novo hino da igreja na casa da professora de violão. Jeremias foi morto pelas costas com quatro tiros de fuzil em frente à casa da professora. Ele estava com um pirulito na mão e segurava a maçaneta da porta na outra. Traumatizada, até hoje a professora não se recuperou e sequer consegue conversar sobre o ocorrido.

Sonho com o dia em que eles possam estar no banco dos réus e em júri popular, mas não tenho essa certeza. Não acredito na Justiça; três 3 anos e nada acontece. E o mais agravante, depois dele vieram muitos outros: Maria Eduarda, Marcos Vinícius, e tantos outros.

Vânia Moraes da Silva
Mãe de Jeremias

A tarde estava tranquila, sem operação policial ou conflito entre os grupos civis armados, apenas os barulhos constantes de motos circulando e crianças brincando. Mesmo com essa aparente tranquilidade, um blindado do 22º Batalhão de Polícia Militar encontrou Jeremias. A perícia comprovou que o tiro veio do “caveirão” que havia acabado de sair do batalhão atirando. “Eles alegam que foi em legítima defesa. Quero saber de quem? Com que arma que meu filho atirou? Com pirulito? De costas? Atiraram num menino de 13 anos, um tiro de fuzil pelas costas. Foi uma covardia! Eles vieram pra matar e continuam livres nas ruas, matando crianças”, diz dona Vânia, tentando explicar o inexplicável.

Após quase três anos da morte de Jeremias, o único avanço foi seu nome batizar a Clínica da Família da Nova Holanda, na Maré, onde nem sequer há energia elétrica. O processo criminal também não existe. O inquérito da Delegacia de Homicídios do Rio, mesmo com perícia, foi inconclusivo, o que fez com que o Ministério Público Estadual abrisse administrativamente uma nova investigação para confrontar a primeira, feita pelo delegado e, assim, fazer a denúncia – início de todo processo judicial. A família abriu dois processos, um criminal, onde é pedida a responsabilização criminal dos policiais, e um cível, onde se pleiteia a indenização do Estado pela desastrosa atuação de seus agentes públicos. Marcelo Pires Brancos, advogado da ação, é pago pela Igreja que a família frequenta.

A mãe de Jeremias não esquece o dia em que foi ouvida pelo delegado do caso. “Eu sou leiga, não entendo palavras bonitas, não entendo de leis, não entendo a forma que eles falam, e você pergunta, e eles te enrolam. Te tratam como lixo, falam um monte de palavras bonitas e eu aí e falo: ‘me explica?’ Eles respondem dizendo que estão explicando” , protesta Vânia.

Foto de Jeremias na praia guardada pela mãe: garoto de 13 anos morto com pirulito na boca e quatro tiros nas costas (Foto: Arquivo Pessoal)
Foto de Jeremias na praia guardada pela mãe: garoto de 13 anos morto com pirulito na boca e quatro tiros nas costas (Foto: Arquivo Pessoal)

Ela precisou deletar as redes sociais do filho, onde matava as saudades vendo fotos. “Até o Facebook do meu filho eu tive que deletar, porque eram muitas ameaças. Desenhos de caveiras, de cruz e escritas como s’e continuar, vai morrer, a gente sabe onde você mora’. Foi pesado demais pra mim, apaguei tudo. Nem mais ver as fotos do meu filho, dos trabalhinhos da igreja que ele fazia não posso mais”, queixa-se a mãe de Jeremias.

O sonho de dona Vânia é ver o julgamento dos assassinos de seu filho, mas ela tem dúvida se isso vai acontecer. “Sonho no dia que eles possam estar no banco dos réus e em júri popular, mas não tenho essa certeza. Não acredito na justiça, 3 anos e nada acontece. E o mais agravante, depois dele vieram muitos outros, Maria Eduarda, Marcos Vinícius, e tantos outros. Por quê? Eles estão matando o futuro do amanhã com apoio dos governantes”, diz a dona de casa relembrando outros casos de crianças mortas por policiais em ação nas favelas do Rio.

Desde que Jeremias morreu, em fevereiro de 2018, pelo menos mais seis crianças foram mortas em ações policias no Rio – entre elas, Marcos Vinícius da Silva, de 14 anos, também morador da Maré. Dos seis assassinatos, apenas um dos crimes resultou em denúncia do Ministério Público do Estado do Rio contra os acusados.

*Maré de Notícias

Maré de Notícias

O Maré de Notícias é uma iniciativa da Redes da Maré, instituição da sociedade civil que produz conhecimento, elabora projetos e ações para garantir políticas públicas efetivas que melhorem a vida dos moradores das 16 favelas do complexo há mais de 20 anos. O jornal nasceu em 2009, com tiragem de 50 mil exemplares e se consolidou como a principal oferta de informação dos 147 mil moradores.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *