Diplomacia de máscara: as duas faces da China após a crise do coronavírus

Com objetivo de ganhar liderança global, governo chinês usa face amigável ao ajudar outros países e face hostil ao acusar EUA pela pandemia

Por The Conversation | ods16ods3 • Publicada em 7 de abril de 2020 - 08:00 • Atualizada em 7 de abril de 2020 - 10:42

Compartilhe

Com uma frase de Nelson Mandela na carga, equipamentos médicos doados para Etiópia por fundações chinesas são embarcados no Aeroporto Internacional de Guangzhou: diplomacia de máscara em busca de liderança global (Xinhua/Tian Jianchuan/AFP)

Haiquing Yu* e Michael Keane*

A China emergiu gradualmente de uma sombra de desespero como epicentro da pandemia de covid-19 e berço do coronavírus. Agora, é necessário apresentar uma nova face – assim como definir a agenda no jogo global do poder. A China teve um papel decisivo no combate ao inimigo invisível. Autoridades e até acadêmicos chineses estão aproveitando a oportunidade para reescrever a narrativa e colocar a China como o novo líder mundial.

Na busca por essa liderança, a China parece estar jogando o jogo de “face branca” (amigável) e “face vermelha” (hostil). Semelhante ao conceito dos filmes americanos de tira bom / tira mau, as duas faces usam ações aparentemente opostas para alcançar um mesmo objetivo. A face vermelha é Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China que sugeriu que o vírus se originou nos EUA e foi trazido a Wuhan por soldados americanos. A face branca está fornecendo suprimentos médicos para os países que agora lutam contra a pandemia, gestos de boa vontade descritos como “diplomacia de máscara” ou “diplomacia médica”. Ao entender o contexto dessas doações, podemos entender muito sobre como a China incorpora o simbolismo em sua diplomacia de poder brando.

O povo chinês tem uma longa história de uso de máscaras como proteção contra doenças, guerra química, poluição e intempéries. Já no século XIII, os funcionários da corte cobriam o nariz e a boca com um pano de seda ao levar comida ao imperador. À medida que a China encontrava cada vez mais potências estrangeiras através dos portos do Tratado, na virada do século XX, o controle de doenças tornou-se uma preocupação crítica. Apesar do longo legado da medicina tradicional, a China era vista como um lugar não higiênico pelos ocupantes ocidentais desses portos.

A abertura da China ao Ocidente em 1978 levou a uma maior conscientização sobre a higiene. A palavra chinesa para higiene weisheng (literalmente “guardando a vida”) foi incorporada pelos reformadores da saúde em várias aplicações, desde pauzinhos descartáveis de madeira a papel higiênico. Na China, não usar máscaras na atual crise de saúde é visto como anti-higiênico, irresponsável e até transgressivo. Medidas punitivas são tomadas pelas autoridades, com quem não usa máscaras e é humilhado publicamente e humilhado nas mídias sociais chinesas.

No Ocidente, as máscaras foram amplamente vistas com suspeita. O conselho oficial das autoridades de saúde australianas é que, se você não estiver doente, não use máscaras. Isso levou a ansiedade e descontentamento entre os australianos chineses, frustrados com o que consideram um péssimo conselho. A atitude do público em geral em relação aos usuários de máscaras agrava o problema, já que os australianos chineses são injustamente alvo de insultos racistas.

Diplomacia internacional

No auge do surto de Wuhan, governo, empresas privadas e cidadãos do Japão doaram milhares de máscaras. Mas mais significativo que as máscaras foi o simbolismo. Em caixas de carga da Associação de Desenvolvimento da Juventude do Japão estavam estampados caracteres chineses que liam “Terrenos separados, céu compartilhado”, uma linha de um antigo poema chinês.

Um mês depois, a Fundação Jack Ma retribuiu com uma grande doação de máscaras ao Japão, com uma citação do mesmo poema: “Esticar-se diante de você e eu são as mesmas cadeias de montanhas; vamos enfrentar o mesmo vento e chuva juntos “. Milhões de máscaras e milhares de kits de teste estão sendo enviados para o exterior, coordenados e endossados por organizações governamentais chinesas e ocorrendo no nível de governo para governo; pelo setor privado, através de empresas e fundações de caridade; e por indivíduos ajudando seus amigos no exterior.

Carga com 100 mil testes para identificar coronavírus, enviada pela China, desembarca na Eslováquia: ofensiva chinesa aproveita trapalhadas do governo dos EUA (Foto: Joe Klamar/AFP)
Carga com 100 mil testes para identificar coronavírus, enviada pela China, desembarca na Eslováquia: ofensiva chinesa aproveita trapalhadas do governo dos EUA (Foto: Joe Klamar/AFP)

Essa diplomacia de máscara faz parte do novo jogo de poder de dois níveis da China: ajudar os países estrangeiros a recuperarem sua própria face e demonstrar o papel da própria China como uma potência global responsável; e, por outro lado, compartilhar teorias da conspiração sobre as origens do vírus para atacar o oponente.

A China está sendo auxiliada nessas mensagens pela ineficiência dos Estados Unidos em lidar com a crise sanitária. Ao apontar o dedo para os EUA, alguns dizem que a China espera tirar o foco “da incompetência do governo doméstico” – as autoridades chinesas também foram acusadas de minimizar a doença assim que ela surgiu. Esse esforço para reescrever a narrativa do vírus por meio da diplomacia de máscara é uma jogada estratégica para reivindicar o terreno moral elevado e afirmar o poder internacional.

Mudando de cara

Talvez uma pista do que agora está se desenrolando venha do mundo do teatro. Na ópera chinesa de Sichuan, o artista muda magicamente máscaras. Um artista qualificado pode realizar dez trocas de máscara em 20 segundos. Essa é uma das grandes realizações da cultura chinesa, parte de seu arsenal de poder brando. O termo usado em chinês, bianlian (literalmente “mudança de rosto”), no entanto, também é sinônimo de subitamente se tornar hostil.

A China pode ter se esquivado de uma bala. Mas, se a pandemia se descontrolar ainda mais, a China terá muito mais trabalho a fazer para ter sucesso em sua ofensiva de charme. Os próximos meses serão cruciais. Grande parte da disputa pela liderança global nessa guerra mundial dependerá dos EUA, que tem seu próprio presidente parecendo mudar de cara a cada momento.

O poder na era do contágio global requer mais do que as faces duplas de branco e vermelho. O mundo precisa de cura e, portanto, o governo chinês precisará moderar cuidadosamente sua propaganda. O triunfalismo sobre o sucesso de suas próprias estratégias de controle no estilo militar e apontar o dedo para os outros pode evocar reações no teatro da geopolítica.

*Hiquing Yu é professora de Comunicação e Mídia do Instituto Real de Tecnologia de Melbourne (Austrália)

*Michael Keane é professor de Mídias Digitais e Cultura Chinesas na Universidade de Curtin, em Perth (Austrália)

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *