Contra a recessão do coronavírus, US$ 1000 dólares para cada americano

Para economista especializado em desigualdade,  proposta do governo Trump é o que os mais pobres precisam para aguentar a crise

Por The Conversation | ods10 ods3 • Publicada em 23 de março de 2020 - 14:08 • Atualizada em 24 de março de 2020 - 10:36

Dólar na veia: proposta do governo Trump prevê injeção de US$ 850 bilhões, incluindo o envio de cheques de US$1 mil diretamente a todos os americanos adultos (Foto: Gustavo Saboya/AFP)

Steven Pressman*

Grande parte da economia americana entrou em pane, à medida em que os Estados Unidos começam a levar a pandemia de coronavírus a sério. Lojas de varejo e restaurantes em todo o país estão vazios. As indústrias de entretenimento e hoteleira estão em hiato. Embora seja necessário retardar a disseminação da Covid-19, isso terá graves conseqüências para a economia e para as dezenas de milhões de trabalhadores que dependem de salários pagos por hora para comprar alimentos, remédios e colocar um teto sobre suas cabeças.

O governo Trump finalmente está levando isso a sério também e pedindo ao Congresso que passe um pacote de estímulo de US$ 2 trilhões (previsto para ser votado nesta segunda, 23/03,no Senado – nota do tradutor), incluindo o envio de cheques de US$1 mil diretamente a todos os americanos adultos. Alguns legisladores estão pressionando por pagamentos maiores e por vários meses. Esta é uma notícia bem-vinda. Como economista especializado em desigualdade de renda, sei que pagamentos diretos são exatamente o que os americanos de baixos salários precisam para aguentar a crise, que pode durar muitos meses.

Diferentemente da crise financeira de 2008, esta é uma crise econômica que atinge mais os americanos da classe trabalhadora e de baixa renda. Trabalhadores assalariados são capazes de trabalhar em casa. Eles continuarão recebendo seus contracheques regularmente e estarão em boa posição para enfrentar a tempestade econômica criada pelo coronavírus. Mesmo profissionais da classe média que vão perder um pouco de renda provavelmente têm algumas economias para confiar até a recuperação da economia.

Cinema anuncia fechamento em Nova York: trabalhadores da indústria do entretenimento sofrendo com a recessão do coronavírus (Foto: Victor J. Blue/AFP)
Cinema anuncia fechamento em Nova York: trabalhadores da indústria do entretenimento sofrendo com a recessão do coronavírus (Foto: Victor J. Blue/AFP)

Por outro lado, garçons, balconistas, funcionários da indústria hoteleira e do entretenimento e outros trabalhadores que recebem por hora compõem quase 60% da força de trabalho dos EUA, ficarão sem trabalho por tempo indeterminado e vão depender do mesquinho programa de seguro-desemprego. Além disso, os americanos de baixa renda geralmente vivem de salário em salário sem praticamente nenhuma economia. Uma pesquisa recente do Federal Reserve (o Banco Central dos EUA) constatou que 40% das famílias não conseguiriam levantar US $ 400 para cobrir despesas inesperadas.

Para agravar esse problema, há uma dívida excessiva das famílias, hoje superior a US $ 14 trilhões. As famílias altamente endividadas são mais vulneráveis ​​durante uma crise econômica. Suas obrigações de dívida devem ser pagas, mesmo quando sua renda cai. Minha própria pesquisa descobriu que muitas famílias estavam em dificuldades financeiras muito antes do ataque do coronavírus. Agora eles são muito mais propensos a deixar de pagar os empréstimos.

O ponto principal é que as pessoas precisam de dinheiro para sobreviver.

Bar fechado em Miami Beach, Flórida: garçons, vendedores e outros trabalhadores que recebem por hora serão os mais afetados pela onda recessiva (Foto: Joe Raedle/Getty Images/AFP)
Bar fechado em Miami Beach, Flórida: garçons, vendedores e outros trabalhadores que recebem por hora serão os mais afetados pela onda recessiva (Foto: Joe Raedle/Getty Images/AFP)

Uma economia de consumo

Além disso, a economia dos EUA precisa que as pessoas gastem dinheiro. Os gastos do consumidor representam 70% da atividade econômica. Esse gasto já estava diminuindo e desacelerará muito mais agora que as pessoas estão perdendo empregos e renda.

Como o coronavírus, o problema das famílias em dificuldades financeiras deve ser contido antes que as coisas saiam do controle. Milhões de balconistas e garçons – de repente sem emprego por vários meses – não têm o que gastar e não podem manter a economia crescendo. Seus gastos são a renda de outras pessoas, o que significa que mais empresas perderão vendas e outros trabalhadores perderão seus empregos.

Eles também não poderão pagar suas dívidas, seja uma hipoteca, empréstimo automático ou cartão de crédito. Quando muitos consumidores endividados não conseguem pagar seus empréstimos, as instituições financeiras correm o risco de falir, levando a uma crise financeira real, como agora a Itália parece estar passando.

É isso que torna os pagamentos rápidos aos americanos tão vitais. Ao contrário de muitas outras formas de estímulo, os EUA podem enviar aos cidadãos US$ 1.000 com muita facilidade e sem demora – o governo Trump espera fazer isso dentro de algumas semanas. Idealmente, ele fará isso sem perguntas, sem cobrar compromissos e por muitos meses.

Loja de departamentos Macy's, uma das maiores do mundo, fechada em Nova York: gastos do consumidor representam 70% da atividade econômica dos Estados Unidos (Foto: Victor J. Blue/Getty Images/AFP)
Loja de departamentos Macy’s, uma das maiores do mundo, fechada em Nova York: gastos do consumidor representam 70% da atividade econômica dos Estados Unidos (Foto: Victor J. Blue/Getty Images/AFP)

É basicamente apenas uma forma temporária do que o empresário Andrew Yang falou muito durante sua campanha pela indicação democrata para disputar a presidência. E isso não é novidade. Quando feito de forma permanente, é conhecido como garantia básica de renda e foi proposto por uma variedade de pessoas, de liberais como Yang a conservadores como o economista Milton Friedman.

Embora as pessoas tenham uma necessidade urgente de dinheiro para simplesmente pagar contas e comprar alimentos agora, a garantia básica de renda geralmente é apresentada como uma solução de longo prazo para reduzir a pobreza e a desigualdade, bem como para compensar as esperadas quedas no emprego como resultado de automação e outras tecnologias nas próximas décadas.

Não está claro por quanto tempo a Casa Branca deseja enviar cheques, mas, na minha opinião, eles devem ser enviados todos os meses até que a crise econômica termine, para que as pessoas possam pagar o aluguel, pagar serviços públicos e comprar comida.

Um cheque no correio é muito vital no momento, mas não é suficiente. Os EUA também devem expandir os benefícios do seguro-desemprego e outros programas de seguridade social. As pequenas empresas, cujos clientes desapareceram, precisarão de mais apoio para poderem sobreviver. E algumas indústrias, como as companhias aéreas, podem precisar de resgate.

Mas US$ 1.000 seria um bom adiantamento para ajudar os americanos que já estão lutando e perdendo seus empregos.

*Professor de Economia da Universidade do Estado do Colorado (EUA)

Tradução de Oscar Valporto

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *