Trauma da zika eleva medo das brasileiras de gravidez na pandemia

Mulher grávida com suspeita de covid-19 atendida em hospital de Santarém: pesquisa mostra que muitas brasileiras estão adiando plano de engravidar devido à pandemia (Foto: Tarso Sarraf / AFP)

Estudo com quatro mil mulheres em idade fértil em Pernambuco mostra que, entre as interessadas em ter filhos, metade decidiu adiar devido à covid-19

Por The Conversation | ODS 3 • Publicada em 29 de abril de 2021 - 10:45 • Atualizada em 14 de maio de 2021 - 10:20

Compartilhe

Mulher grávida com suspeita de covid-19 atendida em hospital de Santarém: pesquisa mostra que muitas brasileiras estão adiando plano de engravidar devido à pandemia (Foto: Tarso Sarraf / AFP)

Letícia Marteleto*

“Temos que evitar uma gravidez”, disse Rosa, sobre a possibilidade de engravidar durante a pandemia de covid-19. “A minha sensação é que não quero ter um filho. O que passei em 2017 quando tive Raíssa, Deus me livre.”

Rosa mora no estado de Pernambuco. Sua primeira filha, Raíssa, nasceu durante a epidemia de zika – uma doença transmitida pelo mosquito aedes aegypt, que causava graves malformações congênitas se contraída durante a gravidez, entre outros efeitos.

Entre 2015 e 2017, cerca de 3.700 bebês nasceram no Brasil com malformação congênita relacionada ao zika, com cabeças anormalmente pequenas. Esses bebês têm agora de 4 a 7 anos. Alguns começaram a se desenvolver normalmente em poucos anos . Mas outros enfrentam enormes dificuldades para comer, andar, falar e ver . Eles exigem cuidados altamente especializados e as famílias recebem escassa assistência governamental.

Pernambuco foi um dos epicentros do surto de Zika no Brasil. Hoje, o Brasil é um epicentro da pandemia de coronavírus, com mais de 13 milhões de casos confirmados de covid-19, quase 400.000 mortes e nenhum fim à vista.

Enquanto isso, o Zika vírus ainda está circulando – embora seja muito menos comum.

Para Rosa e muitas outras mulheres em Pernambuco, a ideia de passar por outra gravidez durante outro novo surto de doença infecciosa é incrivelmente estressante – e sua ansiedade está começando a se manifestar no declínio das intenções de gravidez e nascimentos no Brasil.

Conexão zika-covid

Eu lidero o Projeto DeCodE , um estudo financiado pelo Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano. O projeto visa compreender se e como as mulheres em idade reprodutiva mudam suas atitudes férteis, desejos, intenções e comportamentos durante novas crises de doenças infecciosas, como zika e covid-19.

Estou com muito medo de engravidar. É a mesma sensação da época da epidemia de zika mas agora é um pouco pior

Sônia
Mulher pernambucana ouvida na pesquisa

O novo coronavírus, causador da covid-19, e o zika são vírus distintos com diferentes modos de transmissão e efeitos na saúde. Nenhum dos dois havia sido visto antes no Brasil. A novidade de tais doenças gera extrema incerteza sobre os riscos de infecção e uma resposta caótica de prevenção, especialmente para grupos de alto risco, como grávidas e seus bebês .

Nosso grupo de estudo conduziu entrevistas ao longo de 2020 com 3.998 mulheres de 18 a 34 anos em Pernambuco. Temos monitorado com pesquisas periódicas desde então. Essas mulheres estão enfrentando novos surtos de doenças infecciosas consecutivas que se sobrepõem substancialmente aos seus anos reprodutivos.

No início da epidemia de zika, não estava claro se um feto no útero poderia pegar o vírus. Mais tarde, a transmissão fetal foi confirmada – junto com o risco de anormalidades fetais graves no nascimento .

Bebê é atendido em hospital da Ilha de Marajó, no Pará, enquanto profissionais de saúde cuidam de mãe com covid-19: Brasil registrou queda da natalidade em 2020 (Foto: Tarso Sarraf / AFP – 13/06/2020)

Agora, apenas alguns anos depois, a covid-19 está trazendo incertezas semelhantes.

O risco específico da covid-19 para gestantes e seus bebês ainda não está totalmente claro . No início da pandemia, as evidências sugeriram que a gravidez não apresentava maior risco em termos de contrair COVID-19 ou de sofrer piores sintomas do que a população em geral.

Em junho de 2020, no entanto, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos adicionaram a gravidez à lista de condições de saúde que tornam os pacientes com COVID-19 mais propensos a serem hospitalizados e admitidos na unidade de terapia intensiva , com base em vários estudos . Também há evidências de aumento de natimortos e partos prematuros durante a pandemia, embora não esteja totalmente claro se esses aumentos resultam da infecção por SARS-CoV-2 ou de efeitos indiretos, como estresse ou relutância em procurar atendimento médico.

Desigualdades no atendimento durante gravidez

No Brasil, onde infecções fora de controle deram origem a uma variante mais transmissível e mortal, mulheres grávidas e no pós-parto estão apresentando taxas de mortalidade mais altas por covid-19 . Os hospitais estão atribuindo um número invulgarmente grande de mortes de recém-nascidos ao covid-19. Em 17 de abril de 2021, as autoridades brasileiras tomaram a atitude incomum de pedir às mulheres que evitassem engravidar.

É claro que nem todas as pessoas têm controle total sobre seus corpos – não importa o quão ansiosas estejam com uma possível gravidez pandêmica. No Brasil, as opções de cuidados de saúde e anticoncepcionais de alta qualidade são menos acessíveis às mulheres mais pobres e negras do que às brancas e ricas.

Durante a pandemia do coronavírus, por exemplo, mulheres negras de origens socioeconômicas mais baixas viram seus cuidados médicos severamente interrompidos. Nossos dados mostram que 58% não conseguiram encontrar serviços de saúde de qualquer espécie quando precisavam. Em contraste, 23% das mulheres brancas mais ricas experimentaram uma negligência semelhante.

E, em um estudo de 2017 que conduzi durante a epidemia de zika, mulheres mais ricas no Brasil relataram ter mais autonomia sobre suas decisões reprodutivas do que aquelas de origens socioeconômicas mais baixas.

Ainda assim, as mulheres brasileiras fizeram o possível para evitar a gravidez durante a epidemia de zika. Um de nossos estudos mostra quedas temporárias de nascimentos de 10% em nível nacional e de 28% em Pernambuco em novembro de 2016, cerca de um ano após o estabelecimento da ligação entre o zika vírus e as malformações de parto.

Parece que as mulheres agora estão fazendo o mesmo durante o COVID-19.

Na pesquisa realizada em 2020, metade das mulheres entrevistadas que desejam ter filhos disseram pretender evitar a gravidez durante a pandemia. Mulheres que tiveram zika ou eram próximas a pessoas que o tinham têm 11% mais probabilidade de dizer isso, de acordo com um estudo preliminar conduzido por minha equipe .

“Estou com muito medo de engravidar”, disse Sônia, uma mulher de 24 anos de Recife, capital de Pernambuco, em uma entrevista em maio de 2020. “É a mesma sensação” da época da epidemia de zika “mas agora é um pouco pior. ”

Nossa análise de dados preliminares do registro civil brasileiro confirma isso: os nascidos vivos em janeiro de 2021 – cerca de nove meses após o primeiro caso confirmado de COVID-19 no Brasil – caíram 12% em relação ao ano passado. Essas informações podem mudar, no entanto, à medida que os dados são atualizados e os dados demográficos do governo se tornam disponíveis. Mas o censo do Brasil – depois de adiado de 2020 para 2021 – foi cancelado .

Nossa pesquisa ilustra como os efeitos das epidemias vão além da mortalidade e da saúde. Para algumas mulheres brasileiras em idade fértil, isso muda seu desejo de se tornarem mães.

*Letícia Marteleto é professora de Sociologia da Universidade do Texas 

 

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile