Privatização das praias: novo ataque legislativo ao meio ambiente

Praia de Caravelas, em Armação de Búzios: projeto tramitando em regime de urgência permite privatização das praias por empreendimentos turísticos (Foto: Prefeitura de Búzios)

Em regime de urgência, projeto na Câmara permite à União ceder áreas na orla para empreendimentos turísticos com restrição a visitantes

Por Oscar Valporto | ODS 14 • Publicada em 3 de maio de 2022 - 09:07 • Atualizada em 13 de maio de 2022 - 10:17

Compartilhe

Praia de Caravelas, em Armação de Búzios: projeto tramitando em regime de urgência permite privatização das praias por empreendimentos turísticos (Foto: Prefeitura de Búzios)

Quando a Câmara dos Deputados aprovou, em fevereiro, a PEC (proposta de emenda constitucional) 39/2011, que extingue o instituto de terrenos de marinha (faixa territorial de 33 metros ao redor de cursos d’água e do mar), e transfere as propriedades aos seus ocupantes, sejam públicos ou privados, ambientalistas alertaram que a mudança atendia interesses da especulação imobiliária que desaguaria na privatização das praias. Não deu outra. A Câmara aprovou o regime de urgência para a tramitação – e pretende votar agora em maio – de projeto de lei que autoriza a União a demarcar “áreas de orlas e praias marítimas, estuarinas, lacustres e fluviais, que serão definidas como Zona Especial de Uso Turístico (ZETUR) para fins de exploração turística”.

Leu essa? Câmara derruba emenda que protegia margens de rios em áreas urbanas

Apesar do evidente impacto ambiental, a autorização para funcionamento de hotéis, clubes e outros empreendimentos seria responsabilidade apenas do Ministério do Turismo. “Hoje, temos ciência, conhecimento e legislação mundial que mostram que não devemos retirar espaços e ambientes costeiros, pois eles nos protegem frente aos impactos das mudanças climáticas e nos dão inúmeros benefícios”, afirma o biólogo Ronaldo Christofoletti, professor e pesquisador do Instituto do Mar da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e integrante da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN).

O PL 4444/2021 representa mais um risco à proteção ambiental, à segurança climática e de gerenciamento da costa brasileira, além de indicar uma tendência de redução do acesso da população às praias e orlas marítimas brasileiras

Nilto Tatto
Deputado federal e integrante da Frente Parlamentar Ambientalista

O PL 4444/2021 parece inofensivo pela sua descrição: “cria o Programa Nacional de Gestão Eficiente do Patrimônio Imobiliário Federal, altera a Lei nº 9.636, de 1998, e dá outras providências”. Foi apresentado no apagar das luzes do ano legislativo, 15 de dezembro, pelo deputado Isnaldo Bulhões (MDB/AL) e a maioria dos seus 17 artigos trata do patrimônio imobiliário da União, determinando recadastramento , identificação dos imóveis desocupados ou subutilizados, reintegração de posse de imóveis. No artigo 16, vem o jabuti da privatização das praias, com a criação da Zona Especial de Uso Turístico, na orla marítima e também de rios e lagoas.

Em 15 de fevereiro de 2022, duas semanas depois do início do ano legislativo, a Câmara aprovou (por 321 votos a 91) o requerimento de urgência para PL da privatização das praias. Parlamentares governistas esperam que ele seja colocado em votação no Plenário ainda este mês. “O PL 4444/2021 representa mais um risco à proteção ambiental, à segurança climática e de gerenciamento da costa brasileira, além de indicar uma tendência de redução do acesso da população às praias e orlas marítimas brasileiras”, alerta o deputado federal Nilto Tatto (PT/SP), integrante da Comissão de Meio Ambiente da Câmara e da Frente Parlamentar Ambientalista.

Tatto vê múltiplas ameaças no projeto. “A privatização das áreas de praias e orlas para fins de exploração turística, caso seja aprovada (e sabemos que nesta legislatura os inimigos do Meio Ambiente conseguem formar maioria, liderados pelo governo Bolsonaro) significará um perigo triplo: pela lógica ambiental, a submissão da gestão dos ecossistemas costeiros aos interesses econômicos da iniciativa privada e sua sanha por lucros; no viés social, um grave prejuízo ao acesso livre e irrestrito que as populações das cidades litorâneas e turistas têm às praias, transformando as areias públicas em ‘feudos’ de megabarracas, resorts e cassinos; e, por fim, no ângulo da economia, prejudicará a subsistência de milhares de comunidades pesqueiras que dependem do mar”, argumenta o parlamentar petista. “É mais um retrocesso que nós, parlamentares da Oposição ao governo Bolsonaro, consideramos parte de um “pacote da destruição”, uma série de proposições danosas ao Meio Ambiente que o governo federal tenta colocar em pauta até o fim do mandato do presidente da República”, acrescenta.

Aprovar esse projeto de lei é um retrocesso enorme em relação a todas as questões de gerenciamento costeiro que já temos e a todas as discussões da mudança do clima

Ronaldo Christofoletti
professor e pesquisador do Instituto do Mar da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e integrante da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza

Com o regime de urgência, o PL deixa de passar pela análise das comissões temáticas e será votado direto no Plenário, com relator indicado pelo presidente da Câmara, o também alagoano Arthur Lira. O escolhido para fazer o relatório foi o deputado José Priante, da Frente Parlamentar Ruralista, o que só fez aumentar os temores sobre o projeto. “Ocupar as faixas de areia para fins de uso privado e turístico é uma ameaça a estes serviços, pois pode comprometer o complexo e delicado ecossistema costeiro”, critica Adayse Bossolani, secretária-executiva do Grupo de Trabalho para Uso e Conservação Marinha (GT-Mar), da Frente Parlamentar Ambientalista do Congresso Nacional.

O GT-Mar reúne deputados, senadores e membros da sociedade civil preocupados com a preservação da zona costeira e marinha e tem apoio Fundação Grupo Boticário, Instituto Linha D’Água, Instituto Costa Brasilis. “Diversos estudos alertam para o processo de erosão costeira que nossas praias vêm sofrendo, o que deverá se agravar com as previsões recentes de aumento do nível do mar e aumento da frequência de eventos extremos de ressacas do mar”, acrescenta Adayse Bossolani.

De acordo com o PL 4444/21, a Zetur “poderá perceber restrição de acesso a pessoas não autorizadas” e seu uso deve ficar limitado a “empreendimentos turísticos como hotéis, parques privados, clubes, marinas ou outras” que tenham autorização do Ministério do Turismo. “As atividades propostas no projeto podem excluir a passagem e o acesso das pessoas, levando a uma elitização do espaço costeiro, que por definição da Lei 7.661/88 e também da nossa Constituição é um dos espaços mais democráticos que temos”, afirma o biólogo e ecólogo Alexander Turra, professor titular do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP) e também membro da RECN. A Lei 7.661/88 instituiu o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro e deixa claro que as praias são bens públicos de uso comum, sendo assegurado o livre acesso a elas e ao mar pela população.

Pela proposta do deputado Isnaldo Bulhões Jr, 10% da faixa de areia de cada município poderia ser delimitada como Zetur. Com seus 7,5 mil quilômetros de litoral, o Brasil poderia ter 750 quilômetros de áreas privatizadas na orla atlântica, área superior aos litorais de São Paulo (622 km) e Paraná (98 km) juntos. “Aprovar esse projeto de lei é um retrocesso enorme em relação a todas as questões de gerenciamento costeiro que já temos e a todas as discussões da mudança do clima”, alerta o professor Christofoletti, do Instituto do Mar.

De acordo com o livro Panorama da Erosão Costeira no Brasil, lançado em 2018, processos erosivos atingem entre 60% a 65% da linha de costa no Nordeste e no Norte do país. Nas regiões Sudeste e Sul, a erosão afeta aproximadamente 20% do litoral. Para Christofoletti, esses fatores tornam mais urgente a necessidade de ter um gerenciamento costeiro de forma integrada. “Quando a gente privatiza algumas partes e traz esse retalho na orla, dificulta a aplicação de outros instrumentos legais que auxiliam na gestão da costa”, afirma o pesquisador.

Oscar Valporto

Oscar Valporto é carioca e jornalista – carioca de mar e bar, de samba e futebol; jornalista, desde 1981, no Jornal do Brasil, O Globo, O Dia, no Governo do Rio, no Viva Rio, no Comitê Olímpico Brasileiro. Está de volta ao Rio após oito anos no Correio* (Salvador, Bahia), onde foi editor executivo e editor-chefe. É criador da página no Facebook #RioéRua, onde publica crônicas sobre suas andanças pela cidade.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sair da versão mobile