O Alzheimer de perto: um relato de quem convive com a doença na família

Série de reportagens foi motivada após repórter ver de perto o declínio de sua mãe

Por Júlia Amin | ODS 3 • Publicada em 19 de maio de 2021 - 08:24 • Atualizada em 25 de maio de 2021 - 17:34

Mariza Abi Jaoudi, em retrato de Gustavo Stephan

Mariza Abi Jaoudi, em retrato de Gustavo Stephan

Série de reportagens foi motivada após repórter ver de perto o declínio de sua mãe

Por Júlia Amin | ODS 3 • Publicada em 19 de maio de 2021 - 08:24 • Atualizada em 25 de maio de 2021 - 17:34

Compartilhe

Mariza Abi Jaoudi, de 68 anos, era uma leitora voraz apaixonada por Jorge Amado. Ia ao teatro semanalmente e caminhava todos os dias pelo condomínio onde vive em Niterói (RJ). Formou-se em Direito na Universidade Federal Fluminense (UFF) e trabalhou a vida toda na antiga Telerj, mas decidiu se aposentar voluntariamente quando a única filha, que teve aos 39 anos, entrou na alfabetização. Queria acompanhar de perto os estudos da menina. Há aproximadamente nove anos, passou a ter lapsos de memória, não sabia onde havia colocado o óculos, perguntava a mesma coisa repetidas vezes e esquecia de compromissos. Em 2015, já se perdia em trajetos muito familiares. O que começou como demência, se desenvolveu para Alzheimer.

A doença foi progredindo de forma rápida. Neste um ano de pandemia, ela teve uma queda drástica: perdeu a capacidade de formular frases completas, de preparar seu próprio prato durante as refeições e passou a ter muita dificuldade para se vestir e tomar banho. O olhar e o andar ficaram vagos. Passa o dia catando folhinhas no jardim, mexendo em suas bijuterias e lavando a louça. 

Passa o dia catando folhinhas no jardim, mexendo em suas bijuterias e lavando a louça (Foto: Gustavo Stephan)

A história de Mariza motivou esta série de reportagens sobre Alzheimer. Por trás, uma questão pessoal: Mariza é minha mãe. Foi muito impressionante perceber de perto o quanto a falta de contato com as amigas e a quebra da rotina que ela tinha antes do isolamento contribuíram para a sua piora. Ela ficou desorientada e desestimulada. O medo do vírus também a deixou mais agitada nos primeiros meses e com alterações no sono. Sem contato com o mundo externo, restrita à convivência com meu pai e eventualmente comigo, ela se voltou para o seu mundinho particular. Assim como mostrou o estudo da USP, a apatia foi a característica mais marcante desse período

Quem convive com uma pessoa com Alzheimer tem um misto de raiva e amor profundo. Ao longo de todos esses anos, tive muitos momentos de indignação, de não acreditar e não admitir que ela estava doente. “Ela é tão nova, não é possível”. Já disse isso incontáveis vezes. A vergonha também apareceu em vários momentos. Ficava com  medo de minha mãe falar uma bobagem na frente de amigos e conhecidos. Foi muito difícil aceitar o curso da doença e a verdade é que talvez até hoje eu não tenha aceitado de forma completa. 

Júlia com a mãe: a história de Mariza motivou essa série de reportagens sobre Alzheimer (Foto: Gustavo Stephan)

Minha mãe sempre foi uma pessoa muito boa, animada, doce e generosa, uma unanimidade. Nunca conheci quem não gostasse dela. Ela foi a responsável por eu ter tido uma educação construtivista, pelo meu gosto pela leitura, pela minha paixão por viajar e por ter me tornado uma mulher independente. É esse passado que eu me esforço para não esquecer. É nele que me apego quando olho para ela e penso que os próximos anos serão ainda mais cruéis. E aí o coração inunda de amor. 

Agradeço ao meu pai, que, mesmo extremamente sobrecarregado, se mostrou um companheiro muito dedicado. E agradeço também aos cientistas, que trabalham incansavelmente na busca de uma cura para essa doença, trazendo para nós um pouco de esperança. 

Júlia Amin

Júlia Amin é mestranda em Comunicação e Cultura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde se formou em Jornalismo. Por mais de cinco anos, atuou como repórter no jornal "O Globo" na cobertura de temas diversos, como Cidade, Cultura e Comportamento. Também passou pelas redações dos jornais "Extra" e "O Dia".

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

3 comentários “O Alzheimer de perto: um relato de quem convive com a doença na família

  1. Rosangela Maestrini disse:

    Bom dia Julia.
    Parabéns pelo seu texto tão exclarecedor, sincero e emocionante. Sou amiga da sua mãe, embora não esteja convivendo pessoalmente com ela mas falo vez ou outra por telefone, fico muito emocionada ao perceber o estagio que ela se encontra, passei por todas essas faces com a minha mãe.
    Estou a disposição para ajudar no que for necessário. Bjs.

  2. Denise Castro disse:

    Quem bom ouvir um pouco de sua história Julia. Estou vivendo a mesma situação com minha mãe e ela tb passa um tempo no jardim tirando matinho e lavando a louça sempre que tem algo na pia. São sentimentos muito contraditórios que eu sinto. Grata!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile