Justiça italiana reconhece que solidariedade não é crime

Lorena e Gian Andrea, criadores da associação Linea d’Ombra que acolhe refugiados. Foto WhatsApp

Inquérito contra casal de aposentados acusado de proteger imigrantes clandestinos vindos do Oriente Médio e da Ásia Central é arquivado

Por Janaína Cesar | ODS 16 • Publicada em 24 de dezembro de 2021 - 13:20 • Atualizada em 5 de janeiro de 2022 - 10:37

Compartilhe

Lorena e Gian Andrea, criadores da associação Linea d’Ombra que acolhe refugiados. Foto WhatsApp

Gian Andrea Franchi e sua esposa Lorena Fornasir já podem respirar aliviados, o inquérito contra o casal de aposentados foi arquivado pelo tribunal de Bolonha no final de novembro e eles não serão mais processados por favorecimento à imigração clandestina. Os dois poderão continuar curando, diariamente, na Praça Liberdade, em frente à estação de trem de Trieste, os pés de homens, mulheres e crianças que chegam na Itália depois de atravessar a rota balcânica.

Leu essa? Por um 2022 mais verde

São refugiados do Oriente Médio e de países da Ásia Central que escapam de seus países destruídos pela guerra e partem numa viagem alucinante em busca de um lugar de paz para viver na Europa.  A viagem pela rota pode durar anos. Ela começa na Grécia, corta as entranhas dos países balcânicos até chegar em solo italiano.

Lorena, 68 anos, psicoterapeuta, e seu marido Gian Andrea, 85 anos, professor de filosofia aposentado não ficaram imunes diante dos muros invisíveis construídos nos últimos anos pelo continente europeu, criaram a associação Linea d’Ombra e todos os dias, faça sol ou chuva, ocupam a Praça Liberdade, carinhosamente chamada de “praça do mundo”, para oferecer uma refeição quente, medicar os pés dos imigrantes e lhes dar um par de sapatos.

Lorena Fornasir atende um refugiado de guerra na Praça da Liberdade, em Trieste. Foto WhatsApp

O inquérito contra o casal foi aberto em 2019, em Trieste, e tinha como objetivo identificar uma possível ligação entre traficantes de seres humanos e os voluntários de Linea d’Ombra. Tudo porque, em julho daquele ano, eles hospedaram uma família curdo-iraniana que tinha dois filhos e os ajudaram a chegar na Alemanha.

Inicialmente o inquérito investigava somente Gian Andrea, mas a partir do momento que Lorena foi incluída na investigação, teve de ser transferido para o Tribunal de Bolonha, uma vez que a italiana é juíza honorária do tribunal de menores de Trieste, o que causaria conflito de interesses.

Na manhã de 23 de fevereiro deste ano, o casal acordou com a polícia batendo na porta de casa. Estavam respondendo a um mandado de busca e apreensão e tiveram computador e celulares sequestrados. O magistrado responsável pelo caso em Bolonha reconheceu o caráter artificial da suposta ligação dos aposentados com uma rede de tráfico humano internacional e mandou arquivar a investigação.

“Tudo isso deixa claro o caráter político das denúncias contra ativistas solidários com os migrantes”, comentou o casal.

Entre fevereiro e março deste ano, a reportagem do #Colabora esteve na Bósnia, Croácia e Trieste para contar o drama vivido por milhares de refugiados sírios, afegãos e iraquianos que deixaram seus países destruídos pela guerra e partiram numa viagem de desespero em busca de um lugar na Europa para viver.  A reportagem especial venceu a 38ª edição do Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo, na categoria reportagem.

Janaína Cesar

Formada pela Universidade São Judas Tadeu (SP), trabalha há 17 anos como jornalista e vive há 15 na Itália, onde fez mestrado em imigração, na Universidade de Veneza. Escreve para Estadão, Opera Mundi, IstoÉ e alguns veículos italianos como GQ, Linkiesta e Il Giornale di Vicenza. Foi gerente de projetos da associação Il Quarto Ponte, uma ONG que trabalha com imigração.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sair da versão mobile