Estocolmo+50: “PIB recompensa a poluição e o desperdício”, diz Guterres

Secretário-geral da ONU abre conferência sobre meio ambiente com apelo a líderes mundiais: "nos tirem desta confusão"

Por #Colabora | ODS 13 • Publicada em 2 de junho de 2022 - 16:12 • Atualizada em 23 de junho de 2022 - 16:59

Abertura da Conferência Estocolmo+50 sobre meio ambiente: secretário-geral da ONU diz que PIB recompensa a poluição e o desperdício (Foto: Governo da Suécia)

Abertura da Conferência Estocolmo+50 sobre meio ambiente: secretário-geral da ONU diz que PIB recompensa a poluição e o desperdício (Foto: Governo da Suécia)

Secretário-geral da ONU abre conferência sobre meio ambiente com apelo a líderes mundiais: "nos tirem desta confusão"

Por #Colabora | ODS 13 • Publicada em 2 de junho de 2022 - 16:12 • Atualizada em 23 de junho de 2022 - 16:59

Compartilhe

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, fez um apelo “ao fim da guerra sem sentido e suicida contra a natureza”, durante seu discurso na abertura da Conferência Estocolmo+50 sobre os 50 anos de criação da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, que deu início ao movimento ambientalista.

No encontro na capital sueco, Guterres explicou que os recursos naturais não estão conseguindo atender a demanda da população mundial, que está consumindo a uma taxa de 1,7 planeta por ano. “O bem-estar global está em risco – e é em grande parte porque não cumprimos nossas promessas sobre o meio ambiente”, disse o secretário-geral da ONU, nesta quinta-feira, lembrando que, embora tenha havido sucessos na proteção do planeta desde 1972, incluindo o resgate da camada de ozônio, Guterres alertou que “os sistemas naturais da Terra não podem atender às nossas demandas”.

Leu essas? Série especial Cinco décadas de Meio Ambiente

Ele renovou seu apelo contra a “tripla crise planetária”, causada pela emergência climática – “que está matando e deslocando cada vez mais mais pessoas a cada ano” –, pela perda de biodiversidade – que ameaça “mais de três bilhões de pessoas” – e pela poluição e lixo, “que está custando cerca de nove milhões de vidas por ano”. “Nos tirem desta confusão”, ele pediu aos delegados na cúpula sueca convocada pela Assembleia Geral da ONU.

Alerta contra o PIB

Para o secretário-geral, parte da solução está em dispensar o Produto Interno Bruto (PIB) como um indicador econômico dos países, que ele escreveu como um sistema de contabilidade “que recompensa a poluição e o desperdício”.

O secretário-geral da ONU fala na abertura da Estocolmo+50: “nos tirem desta confusão”(Foto: ONU / Divulgação)

Guterres disse que essa lógica precisa mudar. “Não esqueçamos que, quando destruímos uma floresta, estamos criando PIB. Quando pescamos em excesso, estamos criando PIB. O PIB não é uma forma de medir a riqueza na situação atual do mundo”, acentuou. Depois de pedir a todas as nações que se comprometam ainda mais com a implementação dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e seguindo o Acordo de Paris de 2015 para enfrentar essas ameaças, o secretário-geral também insistiu que são necessários maiores esforços para reduzir as emissões a zero até 2050. “O ar quente está nos matando”.

Antonio Guterres repetiu, na Estocolmo+50, para que todos os países para que abandonem os subsídios aos combustíveis fósseis e invistam em energia renovável, enquanto os países desenvolvidos devem “pelo menos dobrar” seu apoio aos países mais pobres para que possam se adaptar a um crescimento crescente. número de choques climáticos.

O secretário-geral lembrou que os países precisam empenhar-se em conseguir um acordo final para uma nova estrutura global de biodiversidade, com objetivo de reverter a perda da natureza até 2050 e destacou o trabalho em andamento para estabelecer um tratado para combater a poluição por plásticos e a Conferência Oceânica da ONU de 2022 em Lisboa, deve fortalecer os esforços para salvar nossos mares. “Se fizermos essas coisas, podemos evitar a catástrofe climática, acabar com uma crescente crise humanitária e de desigualdade e promover o desenvolvimento inclusivo e sustentável”, disse ele, acrescentando que “todo governo, empresa e indivíduo tem um papel a desempenhar”.

Planeta ‘sob ataque implacável’

O organizador da conferência Estocolmo+50, o presidente da Assembleia Geral da ONU, Abdulla Shahid, disse todos precisam reconhecer uma verdade simples. “O progresso humano não pode ocorrer em uma terra que está carente de seus próprios recursos, prejudicada pela poluição e está sob ataque implacável de uma crise climática de sua própria confecção”, afirmou.

Sahid acrescentou que iniciativas recentes de ação climática, como um tratado contra a poluição por plásticos, dão esperança. mas precisam ser integradas a um esforço muito mais amplo. “Precisamos de soluções que abordem os gargalos comuns que afetam toda a agenda ambiental, o que, por sua vez, acelerará a implementação da Agenda 2030 e promoverá uma recuperação resiliente e sustentável da pandemia”.

O chefe do PNUMA, Inger Andersen, disse na Estocolmo+50 que 50 anos depois da conferência original na capital sueca dedicada ao meio ambiente, uma infinidade de acordos está em vigor, “abrangendo todos os desafios ambientais”. Mas, os resultados práticos ficaram aquém até agora, ela alertou, citando a desigualdade, injustiça e “sinais de angústia” que abundam, desde a tríplice crise planetária. “Se Indira Gandhi ou Olof Palme estivessem aqui hoje, que desculpas daríamos para nossa ação inadequada? Nenhum que eles aceitassem. Eles nos diriam que mais inação é imperdoável”.

“Sabemos, mais do que nunca, as terríveis consequências de marchar alegremente mais para baixo no caminho de desenvolvimento intensivo em carbono que arrancamos da terra”, acrescentou Andersen. “Mas também sabemos o que devemos fazer. E nós sabemos como fazê-lo.

Para a chefe do PNUMA, as soluções científicas são claras e apontam para mudanças estruturais justas e justas em nossa economia, nossos sistemas financeiros, nossos estilos de vida, nossa governança. “E sabemos que precisamos da ciência para balançar a agulha da ação em nossa bússola moral”, disse Andersen.

#Colabora

Texto produzido pelos jornalistas da redação do #Colabora.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sair da versão mobile