Mucormicose: o que é a infecção por fungo atacando pacientes com covid-19

Médicos fazem cirurgia em paciente com mucormicose, fungo negro,, em Ghaziabad, na Índia: infecção que ataca milhares de indianos chegou ao Brasil (Foto: Pankaj Nangia / Anadolu Agency / AFP)

Também chamada de fungo preto, doença já atingiu milhares de pessoas na Índia e Brasil acaba de confirmar primeiros casos

Por The Conversation | ODS 3 • Publicada em 8 de junho de 2021 - 10:01 • Atualizada em 11 de junho de 2021 - 19:10

Compartilhe

Médicos fazem cirurgia em paciente com mucormicose, fungo negro,, em Ghaziabad, na Índia: infecção que ataca milhares de indianos chegou ao Brasil (Foto: Pankaj Nangia / Anadolu Agency / AFP)

(Monica Slavin e Karin Thursky) – Nas últimas semanas, multiplicaram-se relatos de uma infecção chamada mucormicose, frequentemente chamada de fungo preto , em pacientes com covid-19, ou que estão se recuperando da doença, na Índia. As infecções fúngicas podem ser devastadoras. E, neste caso, a mucormicose está aumentando o fardo de sofrimento em um país que já vive uma crise profunda de COVID-19.

(Nesta segunda-feira, dia 7, Os estados do Rio Grande do Norte e de Pernambuco confirmaram os primeiros casos de infecção por mucormicose, em pacientes que tiveram covid-19 – são duas mulheres, uma internada em Natal, a outra . Na semana passada, um homem de 71 anos positivo para covid-19 e com suspeita de ser portador de mucormicose, doença também conhecida como fungo preto, morreu em Mato Grosso do Sul. Outros casos estão sendo investigados em Santa Catarina, no Amazonas e em São Paulo – nota do tradutor).

Em março deste ano, 41 casos de mucormicose associada à covid-19 foram documentados em todo o mundo, com 70% na Índia. Relatórios sugerem que o número de casos agora é muito maior, o que não é surpreendente, dada a atual onda de infecções por covid na Índia. Estima-se que 12 mil casos tenham surgidos no país nas últimas semanas.

Mas o que é mucormicose e como ela está relacionada com a covid-19?

O que é mucormicose?

A mucormicose, anteriormente conhecida como zigomicose, é a doença causada pelos diversos fungos que pertencem à família dos fungos Mucorales. Os fungos nesta família são geralmente encontrados no meio ambiente (por exemplo, no solo) e frequentemente associados a materiais orgânicos em decomposição, como frutas e vegetais.

O membro desta família que mais frequentemente causa infecção em humanos é denominado Rhizopus oryzae . Na Índia, porém, outro membro da família chamado Apophysomyces , encontrado em climas tropicais e subtropicais, também é comum.

No laboratório, esses fungos crescem rapidamente e têm uma aparência difusa preta / marrom.

Os membros da família que causam doenças humanas crescem bem à temperatura corporal e em um ambiente ácido (visto quando o tecido está morto ou morrendo ou com diabetes não controlado).

Como você pode contrair mucormicose?

Mucorales são considerados fungos oportunistas, o que significa que geralmente infectam pessoas com um sistema imunológico debilitado ou com tecidos danificados. O uso de drogas que suprimem o sistema imunológico, como os corticosteróides, pode levar ao comprometimento da função imunológica, assim como uma série de outras condições imunocomprometedoras, como câncer ou transplantes . Tecido danificado pode ocorrer após trauma ou cirurgia.

Existem três maneiras pelas quais os humanos podem contrair mucormicose – inalando esporos, engolindo esporos em alimentos ou medicamentos ou quando os esporos contaminam feridas.

A inalação é mais comum. Na verdade, respiramos os esporos de muitos fungos todos os dias. Mas nosso sistema imunológico e pulmões saudáveis ​​geralmente os impedem de causar uma infecção.

Quando os pulmões são danificados e o sistema imunológico é suprimido, como é o caso de pacientes com quadro grave d covid, esses esporos podem crescer em nossas vias aéreas ou seios da face e invadir o tecido de nosso corpo.

A mucormicose pode se manifestar nos pulmões, mas o nariz e os seios da face são os locais mais comuns de infecção por mucormicose. De lá, ele pode se espalhar para os olhos, potencialmente causando cegueira, ou para o cérebro, causando dor de cabeça ou convulsões.

O fungo negro também pode afetar a pele. Infecções de feridas com risco de vida foram vistas após ferimentos sofridos durante desastres naturais ou em campos de batalha onde os ferimentos foram contaminados por solo e água.

Ala de hospital em Ahmedabad, na Índia, com pacientes infectados com o fungo causador da mucormicose: vítimas de covid-19, com organismo debilitado, contraem mais a doença (Foto: Sam Panthaky / AFP – 23/05/2021)

Fungo preto no ambiente

Não vimos infecções por mucormicose associadas à covid-19 na Austrália, e houve muito poucas em outros países . Então, por que a situação na Índia é tão diferente?

Antes da pandemia, a mucormicose já era muito mais comum na Índia do que em qualquer outro país. Afeta cerca de 14 por 100.000 pessoas na Índia, em comparação com 0,06 por 100.000 na Austrália, por exemplo.

Globalmente, surtos de mucormicose ocorreram devido a produtos contaminados, como lençóis hospitalares, medicamentos e alimentos embalados . Mas a natureza generalizada dos relatos de mucormicose na Índia sugere que ela não vem de uma única fonte contaminada.

Mucorales podem ser encontrados no solo, comida apodrecida, excreções de pássaros e animais, água e ar ao redor de canteiros de obras e ambientes úmidos.

Mucormicose e diabetes

Quando o diabetes é mal controlado, o açúcar no sangue é alto e os tecidos relativamente ácidos – um bom ambiente para o crescimento dos fungos Mucorales.

Isso foi identificado como um risco de mucormicose na Índia (onde o diabetes é cada vez mais prevalente e freqüentemente não controlado) e em todo o mundo, bem antes da pandemia de covid-19.

De todos os casos de mucormicose publicados em revistas científicas em todo o mundo entre 2000-2017, a diabetes foi observada em 40% dos casos.

Um resumo recente da mucormicose associada à covid-19 mostrou que 94% dos pacientes tinham diabetes, e ela estava mal controlada em 67% dos casos.

Tempestade perfeita

Pessoas com diabetes e obesidade tendem a desenvolver infecções mais graves de covid-19. Isso significa que eles têm maior probabilidade de receber corticosteroides, que são frequentemente usados ​​para tratar a covid-19. Mas os corticosteróides – junto com o diabetes – aumentam o risco de mucormicose.

Enquanto isso, a própria covid-19 pode danificar o tecido das vias aéreas e os vasos sanguíneos, o que também pode aumentar a suscetibilidade à infecção fúngica.

Portanto, danos aos tecidos e vasos sanguíneos da infecção por covid, tratamento com corticosteroides, altas taxas de fundo de diabetes na população mais gravemente afetada pela doença pandêmica e, o que é mais importante, a exposição mais ampla ao fungo no ambiente provavelmente estão desempenhando um papel importante na situação que vemos com mucormicose na Índia.

Desafios do tratamento

Na Austrália, como em muitos outros países ocidentais, vimos casos crescentes de outra infecção fúngica -aspergilose – em pacientes que tiveram infecções graves por covid, precisaram de tratamento intensivo e receberam corticosteroides. Este fungo é encontrado no meio ambiente, mas pertence a uma família diferente.

Como a aspergilose é o fungo oportunista mais comum em todo o mundo , temos testes para diagnosticar rapidamente essa infecção. Mas este não é o caso da mucormicose.

Para os muitos pacientes afetados com mucormiose, o resultado é ruim. Cerca de metade dos pacientes afetados morrerão e muitos sofrerão danos permanentes.

O diagnóstico e a intervenção o mais cedo possível são importantes. Isso inclui o controle do açúcar no sangue, a remoção urgente de tecido morto e o tratamento com medicamentos antifúngicos.

Mas, infelizmente, muitas infecções serão diagnosticadas tardiamente e o acesso ao tratamento será limitado . Esse era o caso na Índia antes do COVID e as atuais demandas no sistema de saúde só vão piorar as coisas.

O controle dessas infecções fúngicas exigirá maior conscientização, melhores testes para diagnosticá-las precocemente, foco no controle do diabetes e no uso sábio de corticosteróides, acesso à cirurgia oportuna e tratamento antifúngico e mais pesquisas sobre prevenção.

*Monica Slavin é chefe do Departamento de Doenças Infecciosas do Peter MacCallum Cancer Center (Austrália); Karin Thursky é professora Instituto Peter Doherty para Infecção e Imunidade (Austrália)

Tradução de Oscar Valporto

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile