Cientistas alertam para simultâneas ondas de calor recorde nos polos

Focas em banquisas de gelo desprendida da Ilha Horseshoe, na Antártica: ondas de calor simultâneas, com recordes de temperaturas nos pólos Norte e Sul, alarmam e intrigam cientistas (Foto: Sebnem Coskun / Anadolu Angency / AFP – 11/03/2022)

Para pesquisadores, altas temperaturas no Ártico e na Antártica devem ser consequências da crise climática mas relação entre os dois fenômenos precisa ser estudada

Por The Conversation | ODS 13 • Publicada em 28 de março de 2022 - 09:10 • Atualizada em 1 de abril de 2022 - 10:59

Compartilhe

Focas em banquisas de gelo desprendida da Ilha Horseshoe, na Antártica: ondas de calor simultâneas, com recordes de temperaturas nos pólos Norte e Sul, alarmam e intrigam cientistas (Foto: Sebnem Coskun / Anadolu Angency / AFP – 11/03/2022)

(Dana M. Bergstrom, Sharon Robinson e Simon Alexander*) – Ondas de calor recorde atingiram a Antártica e o Ártico simultaneamente nos últimos dias, com temperaturas chegando a 47℃ e 30℃ acima do normal, respectivamente. As ondas de calor são bizarras a qualquer momento na Antártida, mas particularmente agora no equinócio, quando a Antártida está prestes a cair na escuridão do inverno. Da mesma forma, ao norte, o Ártico está apenas emergindo do inverno.

Essas duas ondas de calor estão ligadas? Ainda não sabemos, e é mais provável que seja uma coincidência. Mas sabemos que os sistemas climáticos da Antártida e do Ártico estão conectados às regiões mais próximas a eles, e essas conexões às vezes chegam até os trópicos.

Leu essa? Novas colônias de pinguins revelam impacto da crise climática na Antártica

E a mudança climática é a causa? É provável. Embora seja muito cedo para dizer com certeza, sabemos que as mudanças climáticas estão tornando as ondas de calor polares mais comuns e severas, e os polos estão aquecendo mais rápido que a média global.

Então, vamos dar uma olhada mais de perto no que está causando as anomalias extremas para cada região e os efeitos de fluxo para a vida selvagem polar, como pinguins e ursos polares.

Pinguins-de-adélia na costa antártica: filhotes escaparam por pouco da onda de calor no continente (Foto: Sebnem Coskun / Anadolu Agency q AFP – 11/03/2022)

O que aconteceu na Antártida?

A onda de calor da Antártica foi impulsionada por um sistema lento e intenso de alta pressão localizado a sudeste da Austrália, que transportou grandes quantidades de ar quente e umidade para o interior da Antártida. Foi acoplado a um sistema de baixa pressão muito intenso sobre o interior do leste da Antártida.

Para piorar a situação, a cobertura de nuvens sobre o platô de gelo da Antártida reteve o calor que irradiava da superfície.

Como é outono na Antártida, as temperaturas no interior do continente não eram altas o suficiente para derreter as geleiras e a calota de gelo. Mas isso não quer dizer que grandes oscilações de temperatura não ocorreram.

Por exemplo, Vostok, no meio do planalto de gelo, atingiu uma alta provisória de -17,7℃ (15℃ acima do recorde anterior de -32,6℃). Concordia, a estação de pesquisa ítalo-francesa também no planalto, experimentou sua temperatura mais alta de todos os meses, cerca de 40 ℃ acima da média de março.

A história é muito diferente na costa quando a chuva caiu, o que não é muito comum no continente.

A chuva foi impulsionada principalmente por um rio atmosférico – uma estreita faixa de umidade coletada de oceanos quentes. Os rios atmosféricos são encontrados à beira de sistemas de baixa pressão e podem mover grandes quantidades de água por grandes distâncias, em escalas maiores que os continentes.

Apesar de sua raridade, os rios atmosféricos dão uma importante contribuição para as camadas de gelo do continente, pois despejam quantidades relativamente grandes de neve. Quando as temperaturas da superfície sobem acima de zero, a chuva, em vez de neve, cai sobre a Antártida.

Na segunda-feira, 14 de março, as temperaturas do ar na estação australiana Casey atingiram um máximo de -1,9 ℃. Dois dias depois, elas estavam mais para as temperaturas do meio do verão, atingindo um novo máximo de março de 5,6 ℃, que derreterá o gelo.

Esta é a segunda onda de calor na Estação Casey em dois anos. Em fevereiro de 2020, Casey atingiu 9,2℃, seguido por uma alta chocante de 18,3℃ na Península Antártica.

Então, o que isso pode significar para a vida selvagem?

Os pinguins-de-adélia, que vivem em toda a costa antártica, terminaram recentemente sua reprodução de verão. Mas, felizmente, os filhotes de pinguim-de-adélia já haviam partido para o mar para começar a caçar comida por conta própria, então a onda de calor não os afetou.

A chuva pode ter afetado a vida vegetal local, como os musgos, principalmente por estarem em sua fase anual de seca para o inverno. Mas não saberemos se há algum dano às plantas até o próximo verão, quando poderemos visitar os canteiros de musgo novamente.

Urso polar no Ártico: derretimento do gelo marinho ameaça alimentação dos animais (Foto: Sergio Pitamitz / Biosphoto / AFP – 09/06/2021)

E ondas de calor no Ártico?

Um padrão climático semelhante ocorreu na semana passada no Ártico. Um intenso sistema de baixa pressão começou a se formar na costa nordeste dos Estados Unidos. Um rio atmosférico formado em sua junção com um sistema de alta pressão adjacente.

Este padrão climático canalizou o ar quente para o círculo ártico. Svalbald, na Noruega, registrou uma nova temperatura máxima de 3,9℃.

Pesquisadores dos EUA chamaram o sistema de baixa pressão de “ciclone bomba” porque se formou tão rapidamente, passando pela deliciosamente chamada “bombogênese”.

As condições do gelo marinho no inverno deste ano já estavam muito baixas e, em terra, houve uma chuva recorde recente na Groenlândia.

Se as condições quentes fizerem com que o gelo do mar se quebre mais cedo do que o normal, isso pode ter impactos terríveis para muitos animais. Por exemplo, o gelo marinho é um habitat crucial para os ursos polares, permitindo-lhes caçar focas e viajar longas distâncias.

Muitas pessoas vivem no Ártico, incluindo povos indígenas do círculo polar, e sabemos que a perda de gelo marinho interrompe a caça de subsistência e as práticas culturais.

Além disso, o sistema climático do ciclone-bomba trouxe um clima caótico para muitas áreas povoadas do Hemisfério Norte. No norte da Noruega, por exemplo, as flores começaram a florescer mais cedo devido a três semanas de clima anormalmente quente.

Um prenúncio para o futuro

A modelagem sugere que os padrões climáticos de grande escala estão se tornando mais variáveis. Isso significa que essa onda de calor aparentemente única pode ser um prenúncio para o futuro sob as mudanças climáticas.

Em particular, o Ártico está aquecendo duas vezes mais rápido que o resto do mundo. Isso ocorre porque o derretimento do gelo marinho revela mais oceano abaixo, e o oceano absorve mais calor à medida que fica mais escuro.

De fato, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) projeta que o gelo marinho do Ártico continue seu atual recuo, com verões sem gelo possíveis até a década de 2050.

O futuro da Antártida parece igualmente preocupante. O IPCC considera que o aquecimento global entre 2 ℃ e 3 ℃ neste século faria com que o manto de gelo da Antártida Ocidental fosse quase completamente perdido. Reduzir as emissões globais a zero líquido o mais rápido possível ajudará a evitar os piores impactos das mudanças climáticas.

*Dana M. Bergstrom é cientista e chefe de pesquisa da Universidade de Wollongong (Austrália); Sharon Robinson é professora e pesquisadora da Universidade de Wollongong;  e Simon Alexander é cientista atmosférico da Universidade da Tasmânia (Austrália)

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sair da versão mobile