Vacina contra covid-19 para crianças: cinco perguntas e respostas

Vacinação contra a covid-19: apesar de fora dos planos iniciais, crianças também serão vacinadas (Foto: Voisin/Phanie/AFP)

Pesquisador alerta que, apesar de não estarem nos planos iniciais de vacinação, meninos e meninas também precisam ser imunizados

Por The Conversation | ODS 3 • Publicada em 15 de dezembro de 2020 - 09:18 • Atualizada em 23 de dezembro de 2020 - 09:52

Compartilhe

Vacinação contra a covid-19: apesar de fora dos planos iniciais, crianças também serão vacinadas (Foto: Voisin/Phanie/AFP)

Wesley Kufel*

Reino Unido e Rússia já começaram a vacinar a população contra a covid-19. A primeira vacina, contra a doença, acaba também de ser autorizada para uso nos EUA, onde os estados estão traçando planos para quem deve ser vacinado primeiro. Mas um grupo importante está ausente de todos os planejamentos: as crianças.

Até agora, a vacina é planejada apenas para adultos e adolescentes mais velhos – idosos e grupos mais vulneráveis à frente. Os testes só agora estão começando com crianças – e apenas com adolescentes. Ainda existem muitas incógnitas.

Como professor que ajuda a cuidar de pacientes hospitalizados com covid-19 e também farmacêutico de doenças infecciosas, ouço frequentemente perguntas sobre vacinas. Aqui está o que sabemos e não sabemos em resposta a algumas perguntas comuns sobre a vacinação de crianças para COVID-19.

Quando as crianças poderão ser vacinadas?

No momento, parece improvável que uma vacina esteja pronta para as crianças – mesmo no Reino Unido e nos Estados Unidos – antes do segundo semestre.

Os ensaios em adultos das duas vacinas principais tiveram resultados promissores. Em 11 de dezembro, a Food and Drug Administration emitiu uma autorização de uso de emergência para a vacina da Pfizer para pessoas com 16 anos ou mais, e uma segunda vacina, da Moderna, deve ser liberada para uso em adultos em breve. A vacinação já está em andamento no Reino Unido, e o Canadá também autorizou o uso da vacina para a mesma faixa etária.

Mas os ensaios clínicos envolvendo crianças estão apenas começando. A Pfizer, trabalhando com a BioNTech da Alemanha, expandiu seus testes de vacina COVID-19 para crianças a partir de 12 anos apenas em outubro. A Moderna anunciou em 2 de dezembro que planejava iniciar os testes da vacina COVID-19 em crianças de 12 a 17 anos em breve.

A eficácia e segurança da vacina terão de ser avaliadas para cada faixa etária, e os testes ainda não começaram para bebês, crianças pequenas ou crianças nos EUA.

Os ensaios clínicos são elaborados para garantir que a vacina seja segura e eficaz. Normalmente, leva de 10 a 15 anos desde o início do desenvolvimento até que a vacina seja licenciada, mas as vacinas COVID-19 estão sendo desenvolvidas mais rapidamente em resposta à pandemia.

As crianças precisarão de mais injeções do que os adultos?

Não parece que o esquema de doses da vacina COVID-19 seja diferente para crianças, mas isso pode mudar à medida que os testes prosseguem.

A vacina da Pfizer está sendo testada em adolescentes com uma série de duas doses, com três semanas de intervalo, assim como em adultos. A Moderna também planeja usar sua programação para adultos – duas doses com quatro semanas de intervalo – em um teste com 3.000 adolescentes.

A segunda dose serve como uma “injeção de reforço”, uma vez que a primeira dose sozinha não fornece imunidade ideal. Isso é consistente com várias outras vacinas, incluindo hepatite B, sarampo, caxumba e rubéola.

No momento, apenas essas duas doses estão planejadas, mas isso pode mudar. Não está claro por quanto tempo a resposta imunológica dessas vacinas COVID-19 vai durar ou se mais doses serão necessárias no futuro. A vacina contra a gripe, por exemplo, exige uma nova dose a cada ano porque o vírus muda. Dados recentes promissores da Moderna indicam que a imunidade é mantida por pelo menos três meses após o recebimento da vacina COVID-19.

As vacinas são seguras para crianças?

Até agora, nenhuma preocupação séria de segurança foi identificada com as vacinas Pfizer ou Moderna, mas os testes ainda estão nos estágios iniciais para crianças. Várias outras vacinas também estão em desenvolvimento em todo o mundo, e alguns fabricantes de medicamentos iniciaram testes com crianças menores em outros países.

Outra preocupação são os efeitos colaterais temporários.

As crianças tendem a ter um sistema imunológico mais forte do que os adultos e podem ter reações temporárias mais fortes à vacina. Isso pode significar mais dor e inchaço no local da injeção por alguns dias e, possivelmente, febre. Esses efeitos colaterais são comuns com vacinas. Eles são evidências de que o sistema imunológico está fazendo o que deveria, mas podem ser assustadores.

No Reino Unido, as autoridades de saúde alertaram em 9 de dezembro que qualquer pessoa com histórico de anafilaxia não deve tomar a vacina depois que dois adultos, ambos com experiência anterior com anafilaxia, tiveram reações graves.

É importante compreender a segurança da vacina e a probabilidade de efeitos colaterais temporários, porque adultos e crianças precisarão de ambas as doses para que a vacina forneça imunidade ideal.

Vacinar adultos é suficiente?

Apenas vacinar adultos não seria suficiente para acabar com a pandemia. As crianças ainda podem ser infectadas, transmitir o vírus e desenvolver complicações. Se não houver vacina disponível, as crianças provavelmente servirão como reservatório do vírus, dificultando o fim da pandemia.

Ambas as vacinas principais relataram resultados promissores em adultos até agora: a taxa de eficácia é de aproximadamente 94% para a vacina da Moderna e 95% para a da Pfizer. Isso significa que, nas melhores condições, cerca de 95% dos adultos que recebem a vacina estão protegidos. Isso é maior do que o esperado. Resta ver se o mesmo vale para as crianças.

As crianças geralmente apresentam sintomas de COVID-19 mais leves do que os adultos, mas ainda podem transmitir o vírus a outras pessoas. Receber a vacina também traz outros benefícios, incluindo permitir um retorno mais seguro às escolas e atividades.

Temos que continuar usando máscaras e distanciamento social?

Neste período, até a vacinação ser feita em massa, será importante continuar as medidas preventivas padrão, incluindo distanciamento social, uso de máscaras faciais, lavagem das mãos e seguir outras orientações oficiais.

Embora a esperança seja que uma vacina permita que as pessoas voltem a um modo de vida mais “normal”, essas medidas preventivas ainda serão necessárias, mesmo após o recebimento da vacina, até que mais informações sejam conhecidas sobre a extensão da proteção da vacina .

Ainda há muitas perguntas sem resposta. Conforme o tempo passa, teremos mais respostas.

*Wesley Kufel é professor do Departamento de Medicina da Divisão de Doenças Infecciosas da Universidade Estadual de Nova York

The Conversation

The Conversation é uma fonte independente de notícias, opiniões e pesquisas da comunidade acadêmica internacional.

Newsletter do Colabora

Nossa newsletter é enviada de segunda a sexta pela manhã, com uma análise do que está acontecendo no Brasil e no mundo, com conteúdo publicado no #Colabora e em outros sites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile