A DÉCADA E 
A FORÇA DAS 

Vídeo: Língua Panará
Povo Panará

ATIVE O SOM

Por Liana Melo

LÍNGUAS INDÍGENAS

A língua é uma poderosa arma de resistência cultural e a Unesco, ao decretar 2022 como o primeiro ano da Década das Línguas Indígenas, quer tirar da invisibilidade esta enorme diversidade linguística. 

Vídeo: Povo Araweté

São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, foi a primeira cidade brasileira a cooficializar línguas indígenas. Duas décadas depois, 13 línguas indígenas foram cooficializadas no país.

Vídeo: TV Canção Nova

Uma língua cooficial tem o mesmo status do português, idioma oficial do país. Existem algumas outras línguas indígenas no país que aguardam decisão do Congresso Nacional para serem cooficializadas.

Vídeo: Povo Sateré-Mawé

Muitas delas correm o risco de extinção pois são usadas por povos indígenas de até 100 pessoas. 

Vídeo: Crianças Aikewára cantando na língua Aikewára.

Alvo de desmatamento e exploração mineral, o Pará é um estado onde se fala 34 línguas indígenas, 18 delas do tronco Tupi. O estado é considerado o coração Tupi da América do Sul.

Vídeo: Povo Wayana 

Entre as 18 línguas do tronco Tupi, está a língua Kayabi, falada pelo povo Kawaiwete, que vive na Terra Indígena Kayabi, no sudoeste do estado do Pará e no Mato Grosso.

Língua Parakanã
Povo Parakanã

"Eu entrei em contato com o branco quando era jovem, quando eu tinha a idade de vocês. Mas agora já estou ficando velhinha."

Outros exemplos são:

Língua Xipaya 
Povo Xipaya 

Língua Sateré-Mawé

No vídeo, Heliton de Sousa, capitão da Aldeia Vila Nova 1, conta que busca emprego para ajudar a família.

Além das 18 do tronco Tupi, são mais 5 línguas Macro-Jê; 9 línguas da Família Karib; 1 língua da Família Aruak e 1 língua Warao. 

Vídeo: Língua Mebêngokrê (Macro-Jê), falada pelos povos Kaiapó e Xicrin

"Olá, me chamo Kuanadiki, sou indígena da etnia Karajá (iny). Aldeia Santa Isabel - Hãwalo - do Estado do Tocantins."

Língua Karajá (Tronco Macro-Jê) Povo Karajá 

Do tronco linguístico Macro-jê. Atualmente, a língua é falada pelos povos Gavião, na Terra Indígena Mãe Maria, em Bom Jesus do Tocantins, no Pará. 

Língua Timbira

A diversidade é enorme. E mostra que a língua é a tradução dos sentimentos, das emoções, das crenças e dos saberes. A língua é a própria cosmologia de uma sociedade.

Vídeo: Povo Sateré-Mawé

Para Ivânia Neves, doutora em Linguística, “não se trata de querer inscrever estas línguas em práticas culturais do passado. E sim retomar outras formas de vida, de fortalecer identidades e de visibilizar a pluralidade do contemporâneo”.


Vídeo: Povo Anambé

A pesquisa "As línguas indígenas no Pará em 2021: fraturas do contemporâneo" durou sete meses e foi coordenada pelo Grupo de Estudos Mediações, Discursos e Sociedades Amazônicas (Gedai).

No site do Gedai, você confere mapas interativos com mais informações sobre as 34 línguas indígenas faladas no Pará. Confira!

No vídeo, Kátia Akrãtikatêjê conta que por conta da colonização, seu povo teve que deixar de falar a língua nativa para se comunicar pelo Português.

E também um documentário com debate sobre os processos de silenciamento e de resistência.

ASSISTA AQUI

No #Colabora, você confere a série especial
“A Força das Línguas Indígenas".

Clique aqui e leia na íntegra.

Edição: Guilherme Leopoldo e
Yuri Fernandes
Foto: Meninas Aikewára/ Maurício Neves Corrêa