Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

As agruras do dr. Big Data

Quinhentos anos de relações sociais processados em meio segundo

Se os personagens presos na porta giratória fossem sempre a Penelope Cruz e Adrien Brody , a vida do dr. Big Data seria muito mais simples. Foto Kobal / The Picture Desk
Se os personagens presos na porta giratória fossem sempre a Penelope Cruz e Adrien Brody , a vida do dr. Big Data seria muito mais simples. Foto Kobal / The Picture Desk

O alarme toca e a porta giratória trava. O segurança olha por meio segundo e trava a porta. Ou não. Quer saber tudo sobre big data ou algoritmos? Não precisa ir para o MIT ou ter um diploma de Harvard, basta ficar quinze minutos olhando o segurança da agência bancária.

Se o detector de metais avisa, a porta trava. A pessoa tem que voltar e mostrar o que tem na bolsa. Simples e democrático. Até aí nenhuma necessidade maior de informação, tudo analógico e elementar.

Em outros tempos seria fácil, dotô era todo aquele de terno e gravata, pronto. Mas o dotô passou a achar que se vestir de dotô era cafona e antiquado e passou a andar com outras fantasias. E o segurança, como faz para reconhecê-lo e não perder o emprego?

Mas a agência está no Rio de Janeiro, Brasil

A equação começa a ficar complicada quando aparece um homem branco bem vestido, o popular “dotô”. O dotô não gosta de ser parado por nada, se isso acontece vai ao gerente, diz que foi tratado com insolência e lá se vai o emprego do segurança e o cliente do banco. Tem que deixar o dotô passar sem ser revistado para manter o salário. Mas como o segurança pode saber quem é o dotô?

Em outros tempos seria fácil, dotô era todo aquele de terno e gravata, pronto. Mas o dotô passou a achar que se vestir de dotô era cafona e antiquado e passou a andar com outras fantasias. E o segurança, como faz para reconhecê-lo e não perder o emprego? Precisa de data, big data. E da empírica, não da que se vende a R$ 1,99 em faculdade metida à besta.

Para isso ele tem que reparar e anotar com cuidado como são as pessoas que vão para a seção premium-gourmet-diferenciada do banco. A marca da roupa, a aparência, o estilo, a cor, o celular, os sapatos etc. Também tem que observar como cada cliente é tratado, quem é atendido primeiro pelo gerente, quem fica mofando na fila, quem recebe cafezinho e água, quem ganha tapinha nas costas, quem é esculachado pelo caixa porque não trouxe o documento certo para pagar o imposto. O segurança tem que criar um banco com todos esses dados, para utilizá-lo no meio segundo em que a pessoa gira a porta. Tipo Robocop. Homem branco, meia idade, camisa polo com cavalo, sapatênis com três furos…porta livre. Rapaz negro sem camisa, bermuda, chinelo de dedo…porta trancada.

A situação complica quando tem um mix, como dizem os publicitários. Um rapaz branco sem camisa, bermuda e chinelo de dedo. E aí? Aí entra o algoritmo, que tem que calcular, baseado na big data, a chance de o rapaz ser um dotô, ou um filho de dotô, que é ainda mais perigoso que o pai. É o algoritmo do real, do que salva emprego, que vai dizer se é para travar a porta ou não. E se na porta está um negro de camisa polo com cavalo bordado e sapatênis de três furos? Aí tem que calcular a probabilidade dele ser dotô, a chance dos outros dotôs, que estão dentro, ficarem chateados porque ele não foi revistado e a possibilidade de levar um processo por racismo. E tem que levar em conta também quem vem antes e depois. Tudo em meio segundo.

São inúmeras combinações entre tom de pele, classe social, figurino e atitude que o guarda tem que resumir em pouco tempo. Quinhentos anos de relações sociais processados em meio segundo. Se errar para mais, o dotô, disfarçado ou não, pede a cabeça dele. Se errar para menos, o banco pode ser assaltado e ele perde a cabeça da mesma maneira. A ele, que tem uma arma na mão e um controle remoto na outra, cabe aplicar todos os preconceitos, racismos e fobias que os outros inventaram. E rápido, que aqui ninguém gosta de esperar.

Já para encontrar o culpado quando algo nesse esquema não dá certo, não precisa saber de big data, muito menos de algoritmo, é só perguntar ao dotô.

A culpa é sempre do segurança.

Escrito por Leo Aversa

Leo Aversa

Leo Aversa fotografa profissionalmente desde 1988, tendo ganho alguns prêmios e perdido vários outros. É formado em jornalismo pela ECO/UFRJ mas não faz ideia de onde guardou o diploma. Sua especialidade em fotografia é o retrato, onde pode exercer seu particular talento como domador de leões e encantador de serpentes, mas também gosta de fotografar viagens, especialmente lugares exóticos e perigosos como Somália, Coréia do Norte e Beto Carrero World. É tricolor, hipocondríaco e pai do Martín.

53 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *