Compartilhar, , Google Plus, Linkedin, Whatsapp,

Imprimir

Publicado em

Eduardo Paes: ‘O desafio é o saneamento’

Ao fim de oito anos de gestão, prefeito do Rio defende o seu legado ambiental e diz que concessão do esgoto é o caminho

Eduardo Paes deixa a prefeitura garantindo que os BRTs já foram um avanço. Além de reduzir o número de carros, eles utilizam um volume maior de biodiesel. Foto YASUYOSHI CHIBA / AFP
Eduardo Paes deixa a prefeitura garantindo que os BRTs já foram um avanço. Além de reduzir o número de carros, eles utilizam um volume maior de biodiesel. Foto YASUYOSHI CHIBA / AFP

Depois de oito anos, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) se despede do governo municipal do Rio defendendo o seu legado na área de meio ambiente e sustentabilidade. Com uma gestão marcada pela expansão dos sistemas de corredores expressos de ônibus (BRTs) e pela implementação de espaços públicos como o Parque Madureira, Paes também enfrentou duras críticas de ambientalistas. Sobre a principal delas, a construção do polêmico Campo de Golfe Olímpico, na Barra, não hesita em defender o projeto: “Promovemos a requalificação ambiental da área, sem gastar um centavo sequer de recursos públicos”.

A ideia das UTRs seria complementar o sistema de saneamento, retendo apenas alguns resíduos sólidos lançados nos rios. Mas essas unidades sozinhas não têm condições de evitar, por exemplo, que o esgoto chegue às lagoas de Jacarepaguá ou à Baía de Guanabara

Eduardo Paes
Prefeito do Rio

Nesta entrevista exclusiva ao #Colabora, o prefeito defende que os serviços de poda de árvores continuem com a Comlurb, “porque a empresa dispõe de equipamento e pessoal especializados”, admite falha no projeto da ciclovia da Avenida Niemeyer (que desabou em abril, matando duas pessoas) e reconhece que o principal desafio da capital é o investimento em saneamento básico: “O governo do estado avançou um pouco, com a Cedae, para melhorar a questão do saneamento, mas é preciso acelerar esse processo. Esse é um desafio prioritário para os próximos anos”. Para tanto, diz apoiar a ampliação da concessão do esgoto à iniciativa privada, como feito em parte da Zona Oeste, a partir de 2012: “A concessão do esgoto é o caminho. Mas é necessário um acordo com a Cedae”.

#Colabora: Após oito anos de gestão, que balanço o senhor faz das ações de seu governo na área ambiental? O senhor foi presidente da C40 (grupo de 63 cidades que discute adaptação às mudanças climáticas), representando lá pela primeira vez uma metrópole emergente. Qual foi a marca de seu mandato na C-40?

Eduardo Paes: Nos últimos três anos, o C40 cresceu em tamanho, influência e perfil. Neste tempo, também dobrou de orçamento e integrou novas lideranças, de diferentes partes do mundo. O número de membros da rede do C40 cresceu de 63 para 90 municípios. Além disso, começou a se consolidar um novo modelo de governança, no qual as cidades têm um protagonismo cada vez maior. É nas cidades que vivem as pessoas, e as soluções locais são aquelas que têm efeito imediato no dia a dia. Durante a minha gestão, uma conquista importante foi a criação de um fundo de financiamento para ações climáticas, que facilita o acesso a recursos. A iniciativa, apoiada pelos governos alemão e americano e pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento, já está operando em Bogotá e na Cidade do México.

O prefeito na inauguração da ciclovia da Niemeyer, que acabou desabando e provocando a morte de duas pessoas. Foto Jorge Hely/Brazil Photo Press
O prefeito na inauguração da ciclovia da Niemeyer, que acabou desabando e provocando a morte de duas pessoas. Foto Jorge Hely/Brazil Photo Press

O senhor sempre diz que se orgulha muito de ter iniciado e expandido as linhas de BRT (bus rapid transit), o que contribuiu para tirar carros das ruas e, consequentemente, para menor emissão de poluentes. Por que não foi possível alimentar o sistema com energia elétrica? Não seria uma melhor opção do que o uso de combustível fóssil?

A implantação do BRT já representou um avanço. Além da redução do número de carros nas ruas, como você mencionou, os veículos usados nos corredores expressos são mais eficientes e utilizam uma quantidade maior de biodiesel do que os ônibus comuns – 10% nos BRTs contra 7% na frota regular. Isso representou uma redução na emissão de gases de efeito estufa. O Rio até recebeu o prêmio Sustainable Transport Award, do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento, que analisou o BRT Transcarioca. O que foi feito não impede que, numa próxima etapa, seja implantado um sistema com energia elétrica.

A maior crítica que o senhor recebeu nesses oito anos de ambientalistas foi a autorização para a construção do campo de golfe olímpico, na Barra, na APA de Marapendi. Muitos o criticaram pelo fato de o processo de licenciamento ter dispensado Estudo de Impacto Ambiental (EIA-Rima), mesmo estando em uma Zona de Conservação da Vida Silvestre (ZCVS). Outra enorme polêmica diz respeito à titularidade do terreno: Fiori Empreendimentos, Elmway e até a União reivindicam a posse. Valeu a pena ter comprado essa briga?

A área onde hoje existe o Campo de Golfe estava, antes, totalmente degradada. Durante alguns anos funcionou ali um depósito de pré-moldados e deixou um rastro de abandono. Com a iniciativa de instalar ali o Campo, promovemos a requalificação ambiental da área, sem gastar um centavo sequer de recursos públicos. A própria Justiça fez uma perícia no local e atestou a recuperação da flora e da fauna. Tanto que, durante os Jogos Olímpicos, os jacarés e as capivaras foram uma atração para os atletas.

Há quatro anos, ao defender as mudanças urbanísticas que possibilitaram a construção do campo de golfe, o senhor disse que a APA perderia uma pequena parte de sua área, mas em compensação, o projeto “garantiria a preservação de um espaço bem maior”, voltado à Praia da Reserva. Até hoje, porém, o anunciado Parque Natural municipal Nelson Mandela, nessa porção de terra virada pela a Reserva, não saiu do papel. Por quê?

Foi importante garantir que aquela área se tornasse um parque natural, que preservará o ecossistema e será utilizado pela população. A área do parque já está delimitada, falta agora a instalação dos equipamentos de lazer.

Por meio do Programa Bairro Maravilha, as zonas Norte e Oeste receberam mais de R$ 1,3 bilhão de investimentos na melhoria da infraestrutura, com a instalação de novas redes de água, esgoto e drenagem em mais de 2.800 ruas

Eduardo Paes
Prefeito do Rio

Quando o governo do estado anunciou o compromisso de despoluir 80% da Baía de Guanabara para os Jogos Olímpicos, o cálculo foi feito com base na construção e na operação de Unidades de Tratamento de Rios (UTRs). Duas dessas UTRs no Rio são mantidas pela prefeitura (Arroio Fundo e Rio Carioca). Nada foi feito e o senhor disse que as UTRs são perda de dinheiro. O que o fez mudar de opinião? Faz sentido manter Arroio Fundo e Carioca?

A ideia das UTRs seria complementar o sistema de saneamento, retendo apenas alguns resíduos sólidos lançados nos rios. Mas essas unidades sozinhas não têm condições de evitar, por exemplo, que o esgoto chegue às lagoas de Jacarepaguá ou à Baía de Guanabara. A manutenção das UTRs no Arroio Fundo e Rio Carioca são paliativos. O governo do estado avançou um pouco, com a Cedae, para melhorar a questão do saneamento, mas é preciso acelerar esse processo. Esse é um desafio prioritário para os próximos anos.

Como titular do esgotamento sanitário do Rio, o senhor não acha que deveria ter assumido o compromisso de ampliar as redes em diversos bairros? Madureira, terra da sua Portela, trata praticamente nada de seus esgotos. Não é uma vergonha?

Defendo a implantação do modelo adotado na AP-5 em outras regiões da cidade onde há carência no serviço de esgotamento sanitário. A concessão é o caminho, no meu entendimento. Mas para isso é necessário um acordo com a Cedae. De qualquer maneira, a prefeitura não ficou parada. Longe disso. Por meio do Programa Bairro Maravilha, as zonas Norte e Oeste receberam mais de R$ 1,3 bilhão de investimentos na melhoria da infraestrutura, com a instalação de novas redes de água, esgoto e drenagem em mais de 2.800 ruas.

Sobre o modelo de concessão da AP-5, o senhor disse que o repasse da responsabilidade de tratar esgoto para a iniciativa privada foi um sucesso. Mas no site da RioÁguas, que é a agência reguladora, não traz qualquer informação sobre o andamento das obras. Não falta transparência?

Vamos averiguar a situação e cobrar da empresa mais transparência.

Em sua gestão, a Fundação Parques e Jardins continuou esvaziada, sem protagonismo. Por que manter a poda de árvores da cidade com a Comlurb? Isso faz sentido?

A Fundação Parques e Jardins cumpre uma função importantíssima de cuidar das praças e parques da cidade. O trabalho de poda de árvores é feito pela Comlurb porque a empresa dispõe de equipamento e pessoal especializados.

Falando da Comlurb, não deu certo o convênio de R$ 50 milhões com o BNDES para a construção de seis galpões de triagem de materiais recicláveis. A coleta seletiva da Comlurb não deslancha, apesar do orçamento da empresa superar os R$ 2 bilhões/ano. O senhor já conseguiu descobrir onde está o gargalo?

Temos muito a caminhar, mas já houve avanços. A Comlurb começou a ampliar a coleta seletiva em 2013 e já atende 113 bairros da cidade, sendo 88 integralmente e 25 de forma parcial, recolhendo 2.500 toneladas (por mês). Foram construídas duas Centrais de Triagem, em Irajá e Bangu, que só não foram expandidas por conta da legislação de zoneamento urbano da cidade, que não permite a instalação de galpões para recebimento, triagem, armazenamento e comercialização de materiais recicláveis em determinados locais.

Em sua gestão, houve dois episódios de greves de garis da Comlurb (2014 e 2015), algo sem precedentes na história recente do Rio. Faltou diálogo com a categoria?

Sempre estivemos abertos ao diálogo. Nunca nos recusamos a conversar com ninguém, ainda mais com os garis, que são um símbolo da cidade e desempenham uma função tão importante. Mas naquelas ocasiões houve uma divisão entre dois grupos da categoria, o que provocou dificuldades nas negociações.

Parte do chorume gerado pela Central de Tratamento de Resíduos de Seropédica, inaugurada na sua gestão, é diluído no esgoto que chega à Estação de Tratamento de Alegria, no Caju. Evidentemente, essa não é a melhor opção. O aterro de Seropédica, após cinco anos, já não poderia estar tratando todo o chorume na própria planta?

A Comlurb acompanha de perto os estudos que a concessionária vem realizando o aumento da capacidade de tratamento de chorume para garantir o tratamento nos picos de geração, tendo uma folga operacional de segurança. Atualmente, a estação de tratamento de chorume instalada no CTR-Rio trata internamente quase a totalidade do chorume gerado no aterro sanitário, em torno de 850 a 900 m³/dia. Uma pequena quantidade ainda é transportada para a Estação Alegria, para ser tratado juntamente com o esgoto (e não diluído nele), uma prática mais usual nos países desenvolvidos. Esse volume vem do estoque acumulado nos tanques do CTR-Rio, do período em que a estação ainda estava em processo de maturação.

O projeto de expansão das ciclovias esbarrou no trágico acidente da Avenida Niemeyer, em abril, que terminou com duas mortes. O senhor assume que a prefeitura errou ao inaugurar a pista sem um plano de emergência em dias de ressaca?

Sim, inclusive admitimos esta falha e, desde então, a Prefeitura do Rio se comprometeu a fazer um plano de contingência para momentos de ressacas e ventos fortes. O procedimento já foi implementado e faz parte do dia a dia de operação da cidade.

Escrito por Emanuel Alencar

Emanuel Alencar

Jornalista formado em 2006 pela Universidade Federal Fluminense (UFF), trabalhou nos jornais O Fluminense, O Dia e O Globo, no qual ficou por oito anos cobrindo temas ligados ao meio ambiente. Atualmente, é editor de Conteúdo do Museu do Amanhã. Tem pós-graduação em Gestão Ambiental e cursa o mestrando em Engenharia Ambiental pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Apaixonado pela profissão, acredita que sempre haverá gente interessada em ouvir boas histórias.

14 posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *